May 20, 2022 Araxá-Minas Gerais

2º Domingo do Tempo Comum – Jo 2, 1-11 – 20 Janeiro 2019

Vamos nos deter um pouco contemplando a narrativa que o Discípulo Amado nos apresenta, neste capítulo dois. João retrata, em uma festa de bodas, uma situação de carência. Nas circunstâncias narradas percebemos a ação de Maria. Aquela que é a discípula das discípulas. Assume ela o discipulado como estilo de vida, embora no início das apresentações públicas de Jesus.

Tudo nela, seus gestos, suas palavras, seus sentimentos, seu jeito de servir estão direcionados para o próprio Jesus Cristo. Maria é mãe de Jesus, mas também se apresenta como discípula. Ela é sabedora que ele é o Filho de Deus e Salvador do mundo. Ela, como a primeira discípula, dá o tom do que vem a ser o verdadeiro discipulado: fazer a vontade de Jesus.

Pode haver, por acaso, uma vida em Cristo sem o discipulado? Querer tudo o que Jesus pode dar desde que não haja seguimento. Muito menos compromisso. Podemos assumir um princípio de vida buscando tudo o que Jesus pode dar desde que sejam situações pontuais. Será um amor a Jesus visando o que ele pode dar e faz por nós, mas nos distanciamos daquilo que devemos fazer seguindo-o.

Em sua fala Maria nos revela uma verdade bem singular: Jesus se apresenta a nós como Senhor e, consequentemente, deveríamos fazer tudo o que ele nos propor e ordenar. Podemos ter uma tendência, às vezes até pretensão de inverter as posições. Vamos ao auge da ousadia de pretender determinar o que Jesus pode ou não fazer em relação a nós. Seria o atrevimento de querer transformar Jesus num servo requintado que está à disposição sempre para fazer a vontade de cada um no próprio momento oportuno.

A plenitude de Jesus em nós é querida. Não, porém, dedicar a ele completamente.

A espiritualidade de Maria segue em posição oposto. Por isso ela indica o bom caminho pelo qual se deve viver o discipulado. Nela se pode perceber que é o verdadeiro ou falso discípulo. Maria vivia a dimensão da obediência e do serviço. São estas características indicativas da melhor maneira de fazer-se discípulo.

Maria estabelece também a esperança como princípio de comportamento. O que ela está vendo e esperando não é o definitivo. Falta ainda a ação de Jesus, que virá com o vinho melhor. Através dos olhos dessa discípula podemos ver além e enxergar a plenitude daquilo que nos falta, tanto no hoje quanto no amanhã de nossa vida.

Somos verdadeiros discípulos?

Notícias relacionadas

4º Domingo do Advento – Lc 1, 39-45 – 23 dezembro 2018

dezembro 23, 2018

dezembro 23, 2018

Em nossa caminhada litúrgica desse advento tivemos contatos com personagens bíblicos altamente significativos: João Batista, Maria, Isaías. Todos nos preparando...

Epifania do Senhor – Mt 2, 1-12 – 06 Janeiro 2019

janeiro 7, 2019

janeiro 7, 2019

O episódio dos Magos – Reis Magos – narrado no Evangelho deMateus é uma bonita alegoria a respeito da repercussão...

2º Domingo do Advento – Lc 3, 1-6 – 09 dezembro 2018

dezembro 16, 2018

dezembro 16, 2018

A liturgia de nosso segundo domingo do Advento tem como que um fio condutor o anúncio da Salvação. Em resumo...

17º Domingo do Tempo Comum – Jo 6, 1-15 – 29 de julho de 2018

julho 29, 2018

julho 29, 2018

O evangelista João tem a preocupação de mostrar que o grande gesto messiânico de Jesus é algo de pura gratuidade....

11º Domingo do Tempo Comum – Mc 4, 26-34 – 17 de junho de 2018

junho 16, 2018

junho 16, 2018

Jesus veio ao mundo com a missão de implantar o Reinado de Deus. Toda a sua vida e suas atitudes...

Ascensão do Senhor – Mc 16, 15-20 – 13 de maio de 2018

maio 12, 2018

maio 12, 2018

Durante a vida pública de Jesus, os apóstolos e outros discípulos – homens e mulheres – tiveram a oportunidade de...

Quinto Domingo da Páscoa – Jo 15, 1-8 – 29 de abril de 2018

abril 28, 2018

abril 28, 2018

Os discípulos, sejam os doze ou os outros homens e mulheres, que se aproximaram de Jesus, durante sua trajetória terrena,...

Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo – Jo 18, 33b-37 – 25 novembro 2018

novembro 30, 2018

novembro 30, 2018

Hoje celebramos a solenidade de Cristo, Rei do Universo. Com esta solenidade encerramos o Ano Litúrgico, como também coroamos a...

22º domingo do tempo comum – Mc 7, 1-8 . 14-15 . 21-23 – 02 de setembro de 2018

setembro 1, 2018

setembro 1, 2018

As investidas dos fariseus e de alguns mestres da lei sobre Jesus dá oportunidade para que o Messias esclareça muita...

Domingo de Ramos e Domingo da Paixão – Mc 15, 1-39 – 25/03/18

março 27, 2018

março 27, 2018

Esta celebração, como a temos atualmente, é proveniente da tradição tanto das Igrejas Orientais como da Igreja Ocidental. O rito...

19º Domingo do Tempo Comum – Jo 6, 41-52 – 12 de agosto de 2018

agosto 12, 2018

agosto 12, 2018

O esforço humano por si só é insuficiente para compreender profundamente quem é Jesus. A intervenção divina se faz necessária....

12º Domingo do Tempo Comum – Lc 1, 57-66.68 – 14 de junho de 2018

junho 23, 2018

junho 23, 2018

A Igreja dá um destaque significativo a São João Batista. Ele é o único santo que tem duplo espaço na...

Batismo do Senhor – Lc 3, 15-16. 21-22 – 13 Janeiro 2019

janeiro 16, 2019

janeiro 16, 2019

Liturgicamente chegamos à última festa do chamado ciclo natalino. É a festa do Batismo do Senhor. Ao vir ao mundo...

15º Domingo do Tempo Comum – Mt 6, 7-13 – 15 de julho de 2018

julho 15, 2018

julho 15, 2018

A experiência de Jesus na sinagoga de Nazaré foi muito desagradável. Fora admirado pelos conterrâneos por causa de sua sabedoria...

3º Domingo do Tempo Comum – Lc 1, 1-4. 4, 14-21 – 27 Janeiro 2019

janeiro 27, 2019

janeiro 27, 2019

No texto do Evangelho desse domingo nós nos encontramos diante de um programa concreto de Jesus. O evangelista Lucas, depois...